Comitê Gestor do Fórum se reúne em São Paulo

POR EM Inovação em Pauta, Matérias

fotocomite

No dia 19 de março, na FGV/EAESP, em São Paulo, aconteceu a terceira reunião do Comitê Gestor (CG), do Fórum de Inovação, coordenado por Marcos Vasconcellos. Estiveram presentes, além dele, representando a Brasilata, Antonio Carlos Teixeira Álvares, o membro do Conselho Consultivo, José Augusto Corrêa. E também integrantes do Fórum: Luiz Carlos Di Serio, Silvana Pereira, Maria Cristina Gonçalves, Luciana Gaia, e os parceiros: Lucio Brunale, da Emprapa, Agnaldo Dantas, do Sebrae e Jairo Martins, da FNQ. Uma presença aguardada foi a do novo diretor da EAESP, Luiz Artur Ledur Brito, que aproveitou o momento para apresentar suas cinco principais diretrizes:

1.Excelência de Ensino–“o foco deve voltar ao estudo, pois ele está mais direcionado para a pesquisa”;

2.Reconexão com a prática – “assim como faz o Fórum de Inovação, devemos buscar algo que auxilie o desenvolvimento das empresas,criando mestrados profissionais, que gerem trabalhos práticos e não somente intervenções. Enfim, olhar para que o mercado necessita”

3.DBA – Doctoral in Business Administration – “voltado a altos executivos, presidentes e VPs de empresas, serão poucas vagas e aproveitaremos toda a bagagem anterior desse público”;

4.Projeção internacional de Pesquisa – “aumentar a nossa visibilidade, já que, hoje em dia, todas as pesquisas acontecem em rede”.

5.Internacionalização da escola – “quero professores indo e vindo de todos os lugares para todos os lugares”.

Brito defendeu a conexão com a Fundação Getulio Vargas: “precisamos nos integrar, auxiliar no que for preciso, e ao mesmo tempo assumir nossa liderança, já que somos a maior escola dentro da Fundação, com 2.100 dos 3 mil alunos”, disse.

Fórum de Inovação

O Prof. Marcos Vasconcellos apresentou as pesquisas desenvolvidas pelo Fórum, como anda o Projeto Inovação e Mudanças e trouxe uma análise dos impactos das novas dimensões do ambiente global nas Organizações do Século 21.

Há três formas alternativas de uma Empresa exercer a “Cidadania Corporativa”:

Empresa “Normal”:

Criação de Riqueza+Criação de Empregos + Global Compact

Responsabilidade Social Corporativa:

Filantropia+Investimentos Sociais + Apoio a Políticas Públicas

Responsabilidade Social no cerne do Negócio:

Combate à Pobreza ou Sustentabilidade ou Abordagem Sistêmica

O professor declarou que há empresas brasileiras participando de B Corporations – Sistema B, Conscious Capitalism – Capitalismo Consciente Brasil e Shared Value Iniciative. “Será que não caberia um Modelo “Tupiniquim”, propôs.

SEBRAE

Agnaldo Dantas disse que o Sebrae está envolvido com o Franhoufer com interesse numa ferramenta de competitividade de desempenho que que dá base comparativa para indicadores com relações a países da Europa.

FNQ

O presidente da Fundação Nacional da Qualidade, Jairo Martins, disse que para o Brasil são necessárias oito palavras: “Produtividade, eficiência, eficácia, inovação, competitividade, ética, sustentabilidade e gestão”.

Falou sobre o modelo de pesquisa, adotado pela FNQ, o MEG – Modelo de Excelência da Gestão, que é bastante completo e traz bons resultados e ofereceu fundir essa ferramenta com a pesquisa do Fórum, em prol de resultados mais amplos.