I Forum de Inovação em Seguros

POR EM Matérias

O I Fórum de Inovação em Seguros aconteceu no dia 17 de setembro, em São Paulo, na FGV Berrini. A realização do evento foi uma iniciativado Fórum de Inovação da FGV-EAESPcom o apoio da Segurar.com e reuniu importantes representantes do mercado de seguros, sendo eles: Rolf Steiner, da Swisse Re, SamyHazan, daYasuda-Maritima e Claudio Afif, da Segurar.com.

Na ocasião, cerca de 100 participantes debateram o futuro do mercado de seguros no Brasil. No final das palestras, a plateia pode interagir num proveitoso debate.

O anfitrião do evento foi o prof. José Augusto Corrêa,membro fundador do Fórum de Inovação, que instigou logo de cara a plateia dizendo: “se vocês gostam de pensar e evoluir, juntem-se a nós do Fórum de Inovação. Aqui é um espaço ideal para debate baseado na filosofia da Fundação Getulio Vargas que é produzir bens públicos”. Na sequência, o professor chamou os palestrantes e conduziu o debate.

Swiss RE

O primeiro a falar foi Rolf Steiner, da Swiss Re, que trouxe como tema “Inovação e Seguros – Uma contradição?” Steiner começou dizendo que o setor opera da mesma forma há 200 anos e que falar em inovação pode parecer uma contradição, mas não é.

Considera que as maiores inovações devem acontecer nas classes C e D “temos um grande mercado visando as populações desprotegidas, principalmente das classes mais baixas, e até mesmo os analfabetos. É possível vender seguros utilizando imagens”, disse.

Nessa linha de pensamento, os microsseguros representam uma excelente alternativa, oferecendo simplicidade e eficiência. Além disso, Rolf defende coberturas paramétricas, novos canais de venda como SMS, caixa eletrônico.

A Swiss Re realizou uma pesquisa que constatou que o canal preferido dos brasileiros para a busca de informações sobre seguros é a internet. Por outro lado,revelou que a fonte mais confiável para os brasileiros ainda é o contato pessoal, família e amigos (na Europa a internet já é considerada a mais segura)

Alguns dados sobre a América Latina:

– A geração mais jovem confia mais na Internet;

– Vendas diretas se tornam mais populares;

– O preço é importante, em particular para jovens e pessoas debaixa renda;

– Fatores-chave são a simplicidade e a transparência;

– Estão demandados produtos para a terceira idade;

– simplificar subscrição, emissão automática,benefícios garantidos;

– outro nicho de mercado é longtermcare – Inovação seria incentivar o bem estar (wellbeing) constante, com foco na saúde e não na doença.

– Big Data– tarifas baseadas no risco;

– Inovação – tarifas de inundação, por exemplo, classificadas por incidência em determinados CEPs.

“Na minha opinião, inovação no setor de seguros será a coexistência do agente de seguros e da internet. E mais uma vez eu digo: pode parecer contraditório falar em seguros e inovação, mas não é!”, finalizou Rolf.

Yasuda Marítima

Em seguida, foi a vez Samy Hazan , da Yasuda-Maritima, dar sua posição. Samy comentou que globalmente a indústria de Seguros passa por diversas mudanças, as quais podem ter impacto no mercado brasileiro. Dentre as principais tendências globais, foram citadas o uso de Sensores em veículos e máquinas conectados a Web; Telemetria e os Seguros pagos conforme utilização; explosão das aplicações móveis com novas funcionalidades para atendimento e “autosserviço” e principalmente a sofisticação de soluções de modelagem preditiva usando-se cada vez mais a subscrição baseada em modelos de informação em tempo real.

Com relação aos canais de distribuição, Samy defendeu que o modelo de distribuição depende muito de características específicas de cada mercado e de seus consumidores. Por exemplo, a adoção de canais diretos tende a crescer com a obrigatoriedade do seguro de automóvel e foco na simplicidade e preço do produto.

No Reino Unido, mercado com produtos muito mais simples e consumidores ativos na pesquisa de preços, a adoção do canal direto vem acontecendo de forma contínua desde o lançamento em 1993.

Mercados com foco em serviços constituem um ambiente no qual canal direto tem maior dificuldade para se desenvolver.

Hazan finalizou com uma visão de cenário futuro para o Brasil:

•Modelo de Distribuição Multicanal;

•Proliferação e crescimento das Corretoras online;

•Desenvolvimento e intensificação da Regulamentação;

•Maior uso de recursos de mobilidade na interação e transação com seguradores e outros agentes do mercado;

•Modelagem de riscos baseada em observações em tempo real;

•Sensores conectados 24 horas (telemetria);

•Big Data

Segurar.com

 Já Claudio Afif, experiente profissional do setor, com mais de 40 anos na área, passou sete anos afastado desse mercado, e agora,está de volta como acionista da Segurar.com.Trouxe uma proposta inovadora dede atuação nesse mercado: a segurar.com  só trabalha com o canal online.

Primeiramente traçou uma visão histórica do mercado de seguros, da criação do Instituto de Resseguros do Brasil ecomentou sobre perfil da seguradora e da força do sindicato.

Quanto às perspectivas futuras para esse mercado, Afif foi bem direto na sua colocação. “Acredito que o mercado como um todo vai viver a alternância, cabendo ao cliente escolher se quer o intermediário ou não. Mas nós da Segurar.com escolhemos operar no canal online, estamos focados na população mais jovem”, defendeu.