THE IDEA-DRIVEN ORGANIZATION

POR EM Acadêmico

O livro trata de um assunto que tem sido pouco abordado pela literatura especializada – a geração e captação de ideias do pessoal da linha de frente das organizações, ou do “chão de fábrica” no caso de empresas industriais.
Os autores já haviam publicado, em 2004, o grande sucesso editorial Ideas are Free (em português, Ideias para Revolucionar Sua Vida, editora Gente) que se tornou referência no estudo de sistemas internos de sugestões das organizações.

Os caminhos na Busca da Excelência – Artigo 2

POR EM Acadêmico

Artigo 2 – O que tem limitado às organizações ao alcance da Classe Mundial
Poderíamos pensar que as lacunas de não atendimento aos 10 pontos referidos no primeiro artigo seja a resposta. Em parte, sim. Porém, a forma de olhar esta questão deve ser diferente. Temos aspectos técnicos e comportamentais.
Imaginemos que o CEO da organização reúna a todos no auditório e diga: “meus caros lideres, colaboradores e parceiros, quero que sejamos uma organização de excelência, de classe mundial. Vocês terão todo o meu apoio nessa jornada, aqui em nossa organização”.
Sem dúvida, é um importante passo. Mas seria isso suficiente? Certamente, não. Vejamos as razões:
Trata-se de um processo de mudança. E um processo de mudança tem componentes técnico-comportamentais que precisam ser conhecidos e trabalhados.

Os caminhos na Busca da Excelência – Artigo 01

POR EM Acadêmico

Introdução

Esta série de 5 artigos visa provocar reflexões ou, quem sabe, fornecer insights, àqueles que atuam nos processos de liderança e gestão organizacionais, de modo a se perguntarem: Estamos evoluindo na jornada da excelência? O seu conteúdo esta subdividido em cinco artigos.

Artigo 1: O que diferencia uma organização de Classe Mundial e que será aqui tratado;

Artigo 2: O que tem limitado às organizações ao alcance da Classe Mundial;

Artigo 3: O verdadeiro aprendizado organizacional;

Artigo 4: Características de uma unidade autônoma de Classe Mundial;

Artigo 5: O aprendizado como construtor da competitividade de um país.

A referência para estes artigos, no que se refere aos Critérios de Excelência, considera até a 19ª Edição, emitida em 2011 pela FNQ e utilizada até o ciclo de 2013 inclusive. No que diz respeito às reflexões do autor, estas englobam um período aproximado de 30 anos, desde meados da década de 80 até dez de 2013.