Os caminhos na Busca da Excelência – Artigo 5

POR EM Acadêmico

Artigo 5 – O aprendizado como construtor da competitividade de um país

A competitividade existe na medida em que há mercados com capacidade de escolha entre alternativas, por parte dos consumidores. Organizações competitivas obtêm a preferência nas escolhas. A competitividade, dada a sua característica dinâmica e temporal, depende da capacidade da empresa em formular e implementar estratégias diferenciadas que lhe permitam obter e manter, no longo prazo, posição sustentável no mercado.

Para as organizações serem competitivas, dois conjuntos de elementos precisam estar atendidos. O primeiro pode-se afirmar que se trata de “fazer bem o tema de casa”. Aqui nos referimos aos aspectos empresariais ou microeconômicos que constroem a competitividade e que são de responsabilidade de seus principais administradores.
O segundo conjunto trata das condições de macroambiente e de infraestrutura externas às organizações, mas que interferem diretamente na sua capacidade de competir.

Os caminhos na Busca da Excelência – Artigo 4

POR EM Acadêmico

Artigo 4 – Características de uma unidade autônoma de Classe Mundial
Este artigo faz parte de um conjunto de cinco artigos em que se procura abordar a jornada da excelência pelas organizações, buscando uma reflexão sobre os aspectos que levam ao seu sucesso como também àqueles que limitam ao alcance deste objetivo. São considerações que decorrem da experiência do autor no tema gestão, construída ao longo de mais de 30 anos, atuando como profissional em empresas privadas, em instituições do terceiro setor (PGQP, FNQ, MBC), na atividade docente e em consultoria.

Os caminhos na Busca da Excelência – Artigo 3

POR EM Acadêmico

Artigo 3 – O verdadeiro aprendizado organizacional
Bem, agora vamos ao ponto que considero o “X” da questão no caminho da Busca da Excelência.
Nestes anos todos, desde que passei a ter contato com o modelo de Excelência do PNQ, já descrito no artigo 01, sempre me intriguei com o fato de que muitas organizações escreviam e reescreviam os seus RG e ficavam na mesma, ano após ano. Esta inquietação me fez estudar como organizações vencedoras do PNQ evoluem e aprendem, resultando na minha dissertação de mestrado no PPGA – Programa de Pós Graduação em Administração da UFRGS, em 2004. Posteriormente, este conteúdo foi aprimorado e resultou num livro: Desmistificando o Aprendizado Organizacional, editado pela Qualitymark, em 2007, onde são abordados os conceitos e as práticas relativas ao aprendizado organizacional.